[email protected] (66) 2101-4000 Acesso Restrito

Notícias e Novidades

publicado em 10 de novembro de 2017

Safra deverá ficar 8,9% menor em 2018

Em 2017, a safra deve totalizar 241,6 milhões de toneladas, resultado 30,0% maior que o de 2016, ou 55,8 milhões de toneladas a mais.

O milho deve ter uma redução de 14,4% na produção em 2018, enquanto o arroz terá recuo de 6,8%, diz o IBGE

A safra agrícola de 2018 deve totalizar 220,2 milhões de toneladas, uma queda de 8,9% em relação à estimativa de 2017, que equivale a 21,4 milhões de toneladas a menos. Os dados são do primeiro Prognóstico para a Safra Agrícola do ano que vem divulgado nesta quinta-feira, 9, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Em 2017, a safra deve totalizar 241,6 milhões de toneladas, resultado 30,0% maior que o de 2016, ou 55,8 milhões de toneladas a mais, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de outubro.
O resultado de outubro é 0,2% menor em relação à estimativa de setembro, com 421,3 mil toneladas a menos.
ÁREA COLHIDA ;
Conforme o IBGE, os produtores brasileiros devem semear 60,9 milhões de hectares em 2018, 0,5% inferior à do ano anterior, com 300 mil hectares a menos.
Já a área de plantio em 2017 deve ser de 61,2 milhões de hectares, uma elevação de 7,2% em relação à área colhida em 2016, segundo o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de outubro do IBGE.
INFLAÇÃO ;
Os efeitos de uma safra agrícola menor em 2018 na inflação são mais complicados de mensurar, relatam economistas, já que soja e milho não são consumidos diretamente pelo consumidor. Os dois produtos e o arroz respondem juntos por 93,8% da estimativa da produção brasileira em 2017 e 87,9% da área a ser colhida no ano.
SAFRAS ;
A produção nacional de soja será 6,3% menor em 2018 em relação à obtida em 2017, segundo o Primeiro Prognóstico para a Produção Agrícola do IBGE.
O milho deve ter uma redução de 14,4% na produção em 2018, enquanto o arroz terá recuo de 6,8%. No caso da safra de algodão herbáceo, a produção em 2018 será 1,5% menor que a de 2017.
Na direção oposta, a safra de feijão no próximo ano será 1,3% maior do que a deste ano. “Porque o preço do feijão está bom, então o produtor deve investir bastante na cultura. O preço caiu este ano, mas ainda está em nível razoável”, explicou Carlos Barradas, gerente da Coordenação de Agropecuária do IBGE. O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos agrícolas do País, sendo responsáveis por 93,8% da estimativa da produção brasileira em 2017 e 87,9% da área a ser colhida no ano.

DIÁRIO DE CUIABÁ