[email protected] (66) 2101-4000 Acesso Restrito

Notícias e Novidades

publicado em 9 de novembro de 2017

Dólar puxa preço da soja para baixo nos Portos:

 

Entre os fundamentos, chuvas intensas continuam sobre regiões produtoras.

As cotações da soja tiveram um dia de queda de preços no mercado físico brasileiro, sem correspondência com o viés da Bolsa de Chicago (CBOT). Por exemplo, no interior do País, a saca de soja (60 quilos) foi vendida a R$ 54,37 em Sorriso (Mato Grosso). A cotação significou uma baixa de 0,28% sobre os R$ 54,52 oferecidos na última avaliação.

Já no Porto de Paranaguá (Paraná), a saca de 60 quilos da oleaginosa disponível caiu para o valor de R$ 73,50, o que representou uma desvalorização de 2% em relação à cotação anterior (R$ 75,00). Todos os preços são FOB (Free On Board – contrato de exportação com custos de transporte interno incluso até o carregamento do navio).

FUNDAMENTOS;

“Nos mapas climáticos atualizados hoje, as chuvas intensas continuam sendo observadas sobre grande parte do Mato Grosso, sul do Tocantins, oeste da Bahia, Goiás e leste de Minas Gerais. Índices pluviométricos de 45-100mm são previstos para tais regiões. As demais áreas sojicultoras do Brasil também devem se favorecer de precipitações em torno dos 20-35mm, com exceção a alguns pontos no Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul, que possuem previsões mais fracas”, afirma a Consultoria AgResource.

 Os mapas climáticos da agência meteorológica independente ECMWF apontam que “após o dia 13, as chuvas voltam a se concentrar em uma faixa mais ao norte do Brasil, deixando um período de 4-5 dias de céu limpo e sem precipitações na região sobre o sul de Goiás e sul do Mato Grosso até o norte do Rio Grande do Sul. A Argentina, que vinha sofrendo com excessos hídricos, agora presencia um período de estiagem de 7-10 dias, favorecendo o ritmo de plantio no país”.