[email protected] (66) 2101-4000 Acesso Restrito

Notícias e Novidades

publicado em 22 de março de 2017

Show Safra em Lucas do Rio Verde inicia com foco na Ferrugem Asiática:

Erlei Melo Reis - show safra 2017 (ass) /

A presença da Ferrugem Asiática na soja está entre as discussões da programação técnica do Show Safra BR 163, que teve início nesta terça-feira, em Lucas do Rio Verde. De acordo com o professor da Universidade de Passo Fundo e de Pós Graduação da Universidade de Buenos Aires, Erlei Melo Reis, a doença ocorreu de forma diferente nesta safra, com menos intensidade, como explica o palestrante. “Existe uma explicação cientifica para esse fato. Primeiro, a Bolívia, grande foco de ferrugem na América do Sul, acaba de ter uma seca que durou cerca de quatro meses e que matou a soja. Como o inóculo da doença se multiplica somente em plantas vivas, automaticamente se diminuiu a substância que viria para o Brasil, principalmente via lavouras de Mato Grosso. Aliado a isso, registramos no Sul do país o inverno mais rigoroso dos últimos tempos, clima totalmente adverso à ferrugem da soja”, expõe Reis.

Atualmente, o Brasil cultiva 33,7 milhões de hectares de monocultura e plantio direto.  O professor atenta para o fato de termos a ferrugem como doença principal da soja, pelos danos que causa, mas que existem também outras como a mancha alvo e a antracnose. “E ainda não nos preocupamos, atualmente, com as podridões radiculares, que segundo pesquisas feitas no Rio Grande do Sul, podem gerar perdas de até 500 quilos do grão por hectare nas lavouras de monocultura. Por isso a importância do monitoramento, prevenção e conhecimento de técnicas”, ressalta o palestrante.

Sobre o uso de fungicidas, Reis destaca que há uma evolução da redução do controle da ferrugem safra após safra. “Me pergunto se essa redução vai se estabilizar? Em que valor? Se vai chegar a zero? Nesse contexto entra o manejo integrado de doenças, o uso de todas as tecnologias. Acredito que o futuro da soja será plantar variedade precoce no inicio da época, por exemplo, em outubro, usar um critério científico para controlar a ferrugem, plantar cultivares com resistência parcial a doença e aplicar com racionalidade os fungicidas”, complementa o palestrante.

A programação técnica do Show Safra BR 163 segue até sexta-feira (24), abordando temas relacionados a plantas daninhas no cenário de resistência, mosca branca e percevejo e discussões em torno do manejo da cultura ou do sistema.

SÓ NOTÍCIAS