sementes.petrovina@petrovina.com.br (66) 2101-4000 Acesso Restrito

Notícias e Novidades

publicado em 4 de maio de 2018

Soja sobe ao patamar de US$ 10,50 por bushel:

Voltaram a subir com a queda do dólar e as conversações com a China.

O preço da soja na Bolsa de Cereais de Chicago registrou na quinta-feira (03.05) uma alta de 10,25 centavos de Dólar no contrato de julho/18, fechando em US$ 10,5325 por bushel. Os demais vencimentos em destaque da commodity na CBOT também fecharam a sessão com desvalorizações entre 9,75 e 10,50 pontos.

O mercado norte-americano da soja registrou ganhos nos principais contratos futuros, voltando a alcançar as valorizações do início da semana. De acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, porém, “olhar o gráfico é sempre melhor do que seguir o fechamento, que é enganoso. As cotações da soja começaram a sessão recuando para as mínimas de sete dias, mas voltaram a subir com a queda do dólar e as conversações com a China, que poderão reativar a demanda por soja americana”.

De acordo com a Consultoria AgResource, apesar de cotações no positivo, devolvendo parte das perdas de ontem, o volume de operações na Bolsa de Chicago foi medío­cre: “Operadores do Mercado não querem assumir um forte posicionamento com as discussões comerciais em andamento, no encontro da delegação estadunidense com os representantes chineses, em Beijing. No Cinturão Agrícola norte-americano, o plantio segue em ritmo bastante aquecido”.

A ARC estima que a área semeada com soja nos Estados Unidos já ultrapassa os 10%: “O cenário climático para o país é favorável, com uma boa mistura de tempo aberto, temperaturas mais quentes e chuvas regulares. Já as exportações da oleaginosa estadun­idense, não apresenta volume satisfatório.

Nesta última semana, o USDA estima que apenas 416 mil toneladas de soja foram vendidas em contratos, sendo apenas a metade do observado no mesmo período em 2017. Sem dúvida alguma é visível o baixo interesse do comprador chinês no grão norte-americano, mantendo a primeira opção de compra para o Brasil”.

 

AGRO LINK