sementes.petrovina@petrovina.com.br (66) 2101-4000 Acesso Restrito

Notícias e Novidades

publicado em 26 de fevereiro de 2018

Seca argentina é a pior em 44 anos:

Falta de chuvas é importante em toda a região produtora de grãos.
A seca no pampa argentino já é a pior dos últimos 44 anos, considerando as chuvas registradas nos últimos quatro meses. Depois de uma situação totalmente oposta, com inundações que davam uma expectativa de uma superfície menor semeada e uma queda na produção pelos excessos hídricos, no último mês de Novembro as precipitações paralisaram de maneira abrupta.

Segundo a análise de imagens da Consultoria de Climatologia Aplicada (CCA), nos últimos quatro meses se registraram entre 100 e 400 milímetros menos em relação à média de chuvas registradas desde 1973. Nesse período, chave para o plantio e o desenvolvimento de milho e da soja, as chuvas devem estar entre os 450 e os 550 milímetros. “Estamos com uma anomalia fortíssima, muito generalizada”, disse ao jornal La Nación Germán Heinzenknecht, meteorólogo do CCA.

 Na soja, agora a colheita fica em 47 milhões de toneladas, 10,5 milhões de toneladas menos respeito ao ano passado. Somando a soja, o milho e outros cultivos, a CRA estimou cerca de US$ 4,3 bilhões de perdas econômicas.

Segundo registros do Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (INTA), existem lugares do pampa em que neste ano choveu até 87,5% menos que a média histórica, considerando a média de 61 a 2000. Como exemplo, em Marcos Juárez, em Córdoba, desde o dia 1 de Janeiro houve 22,4 milímetros, 156 milímetros a menos que o esperado para a média histórica. Já em Rosario, província de Santa Fe, desde Janeiro chouve 26,1 milímetros, cerca de 85% a menos do que o normal para a época. Em Rio Cuarto, em Córdoba, foram 56,2 milímetros, um deficit de 148 milímetros.

AGRO LINK