sementes.petrovina@petrovina.com.br (66) 2101-4000 Acesso Restrito

Notícias e Novidades

publicado em 26 de janeiro de 2018

MT tem gasolina mais cara do Centro Oeste:

Mato Grosso fechou 2017 com a gasolina mais cara do Centro-Oeste e com o preço médio do litro do etanol mais barato da região. Esses extremos foram apontados no levantamento realizado pela Ticket Log, que apura o Índice de Preços dos combustíveis, o IPTL. Os dados mostram que o Estado superou Goiás em relação ao valor médio do combustível.

A alta foi de 2,42%, com média de preço de R$ 4,35 em dezembro, para Mato Grosso. Goiás teve média de R$ 4,344 e redução mensal frente a novembro de -0,32%. O Distrito Federal registrou média de R$ 4,231 e alta de 1,60%. Mato Grosso do Sul encerrou o período com o litro mais barato do Centro-Oeste, mesmo registrando variação positiva de 2%, com média de R$ 4,178.

Além da gasolina, o índice aferiu preços do etanol e do óleo diesel. Mesmo com as variações negativas nos preços do etanol e do diesel, o Distrito Federal registrou os valores mais elevados para esses combustíveis, R$ 3,25 e R$ 3,60, respectivamente.

Já a menor média para o diesel foi registrada em Goiás, onde o litro saiu por R$ 3,52 para o consumidor. O Índice de Preços (IPTL) traz dados de 36 mil postos de combustíveis credenciados da Ticket Log.

Avaliando apenas o comportamento dos preços em Cuiabá, observa-se que de julho a dezembro do ano passado as médias apuradas pela Ticket Log registraram valores em ascensão, com o preço passando de R$ 3,815 para R$ 4,124.

OPOSTO – Se Mato Grosso encerrou o ano com o peso de ter a maior média de preços do Centro-Oeste, por outro, tem o menor preço médio para o litro do etanol da região, bem como para o país, conforme o Diário já mostrou em reportagem publicada no último dia 9.

Dados do IPTL mostram que a média de preços ao etanol no Estado foi de R$ 2,657, a menor entre os estados da região, mesmo registrando a única alta mensal na passagem de novembro para dezembro, 3,93%.

Em Cuiabá, as médias do litro do biocombustível variaram entre momento de altas e de baixas, o que não impediu o litro médio de encerrar o ano com valor histórico de R$ 2,495.

No acompanhamento da variação mensal, dezembro ante novembro, o combustível se destaca com a maior alta entre as três principais matrizes utilizadas no Estado, aumentando 9,30%, ao passar de R$ 2,283 para R$ 2,495.

O segundo menor valor regional foi encontrado em Goiás, R$ 2,884, aonde houve redução mensal de -3,38%. O Distrito Federal teve o maior valor do Centro-Oeste, com R$ 3,250, apesar da queda mensal de 2,42%. Mato Grosso do Sul fechou 2017 com média de R$ 3,049 e queda de 2,37%.

A média de preços ao litro do diesel no Estado não foi apurada.

BALANÇO – De acordo com o balanço realizado pelo IPTL, a gasolina teve alta de 5% nos preços praticados em 2017, na variação de janeiro a dezembro, no país.

Mesmo registrando uma queda progressiva nos preços no primeiro semestre, o aumento dos tributos sobre os combustíveis, anunciado pelo governo em julho, refletiu-se em uma elevação nos valores pagos pelos consumidores. De R$ 3,71/l, o valor médio foi para R$ 3,92/l. A alta se estendeu pelos últimos seis meses e a gasolina encerrou o ano com média de R$ 4,17/l.

No balanço anual, o etanol encerrou 2017 com uma média de preço de R$ 3,25/l. O preço do combustível variou bastante ao longo do ano: de R$ 3,36/l em janeiro, caiu para R$ 3,15/l em junho e subiu para R$ 3,25/l em dezembro.

O diesel também registrou grandes variações, com destaque para o resultado positivo de junho, – 2,23%, quando os preços ficaram em torno de R$ 3,13/l. A deflação de 0,23% no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no País nesse mesmo período resultou na retração de todos os valores.

Já o GNV fechou o ano com média de preços de R$ 2,45/l. Entre janeiro e dezembro de 2017, a variação chegou a 7%. O combustível começou o ano sendo vendido a R$ 2,36/l e fechou o período sendo comercializado com valores médio de R$ 2,52/l.

FOLHA MAX