sementes.petrovina@petrovina.com.br (66) 2101-4000 Acesso Restrito

Notícias e Novidades

publicado em 24 de julho de 2017

Aprosoja vai a campo para acompanhar Vazio Sanitário:

O Vazio Sanitário segue em Mato Grosso até o dia 15 de setembro. Neste período, que iniciou em 15 de junho, é proibida a presença de plantas vivas de soja no Estado. Para verificar como está a situação, delegados e equipe da Defesa Agrícola da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) visitaram dez municípios, percorrendo 3,7 mil quilômetros, durante uma semana do mês de julho.

Durante a semana, as equipes encontraram soja guaxa com sintomas de ferrugem asiática especialmente em beiras de rodovias e no perímetro urbano, nas proximidades de armazéns de recebimento de grãos. Houve também situações em que foi encontrada soja guaxa em lavouras abandonadas. O material foi recolhido e será analisado pela professora doutora Solange Maria Bonaldo, fitopatologista da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Sinop.

“O produtor rural sabe a importância de respeitar o Vazio Sanitário e fazer o trabalho em sua propriedade. Apesar do custo do pós-safra para destruir a soja guaxa, verificamos que o produtor tem feito o dever de casa para manutenção da sanidade da cultura”, afirma Roseli Giachini, 2ª vice-presidente Norte e coordenadora da comissão de Defesa Agrícola da Aprosoja/MT.

A região oeste se destacou pelo trabalho bem feito dos agricultores em acabar com a soja guaxa. De acordo com o delegado coordenador da Aprosoja/MT em Campo Novo do Parecis, Antenor Utida, os produtores estão fazendo as dessecações de forma correta para o controle da soja guaxa e plantas espontâneas.

Na fazenda Três Marcos, Utida planta 6.300 hectares de soja e, na segunda safra, alterna entre algodão, milho e capim sudão. “É preciso ter o controle pós-soja, acredito que tem que ter consciência ao fazer este manejo para o benefício de toda a cultura no Estado”, afirma.

Naildo Lopes, conselheiro fiscal da Aprosoja/MT e produtor rural na região de Nova Mutum, acompanhou a rodada técnica no eixo da BR-163. Ele não cansa de alertar: “onde tem soja tiguera (ou guaxa), tem ferrugem e ferrugem ‘quebra’ produtor”.

Lopes, que também é agrônomo, acredita que a rodada é importante para comprovar o que a técnica já vem mostrando, ou seja, que não se pode fazer soja sobre soja e é preciso respeitar e cumprir o período de Vazio Sanitário. “Quem cuida da propriedade é o produtor. Se sair do controle, teremos um novo surto de ferrugem asiática e não se controla mais. Já temos dificuldades com eficiência de alguns produtos atualmente e não há previsão de novas tecnologias nos próximos dez anos”, frisa.

DIÁRIO DE CUIABÁ