sementes.petrovina@petrovina.com.br (66) 2101-4000 Acesso Restrito

Notícias e Novidades

publicado em 16 de agosto de 2016

Focus: analistas elevam previsão de inflação a 7,31%:

Os analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central elevaram a previsão para a inflação deste ano de 7,20% para 7,31%. A piora acontece após a divulgação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que acelerou na passagem de junho para julho de 0,35% para 0,52%. Para o ano que vem, a projeção para o índice de preços oficial do país foi mantida em 5,14%.

Se o IPCA de fato fechar 2016 em 7,31% será a segunda vez seguida que ficará acima do teto da meta estabelecida pelo governo. O objetivo do BC é que a taxa este ano fique em 4,5%, podendo variar dois pontos para cima ou para baixo. Em 2015, a inflação ficou em 10,67%.

Já para o ano que vem, a projeção dos analistas é de uma inflação abaixo do limite máximo estipulado pelo BC. O relatório Focus divulgado ontem manteve a projeção da semana passada de 5,14%. Em 2017, a meta de inflação também é 4,5%, mas a variação tolerada é menor, de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Puxado por alimentos, o IPCA de julho, ficou em 0,52%, acima da mediana das expectativas coletadas pela Bloomberg, de 0,45%. Nos doze meses encerrados em julho, a inflação ficou em 8,74%, desacelerando frente aos 8,84% registrados até junho. Já nos sete primeiros meses do ano acumula alta de 4,96% e já ultrapassa o centro da meta do BC.

Com a elevação da expectativa de inflação, o relatório Focus mostrou também uma piora na previsão para a taxa básica de juros. Em vez dos 13,50% ao ano, previstos na semana passada, a projeção é de que a Selic chegue ao fim do ano em 13,75%. Desde julho do ano passado, a taxa está em 14,25% ao ano. Para 2017, a Selic foi mantida em 11% ao ano pela sétima semana seguida.

Na sexta-feira, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, afirmou que ainda existem riscos que podem ameaçar a recuperação do crescimento global e o excesso de liquidez nos mercados globais. Para ele, o cenário inspira cautela, e a autoridade monetária poderá atuar no mercado de câmbio se necessário, mas sempre com parcimônia.

E na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) o BC indicou que não há espaço para corte na taxa básica de juros no curto prazo. No documento, estimou um inflação em torno de 6,75% neste ano.

Já a previsão para o desempenho da economia melhorou levemente pela terceira semana seguida. Em vez de recuo de 3,23%, a expectativa é que o tombo deste ano seja de 3,20%. Para o ano que vem, os analistas mantiveram a previsão de expansão de 1,10% pela quarta semana consecutiva.
FONTE: DIÁRIO DE CUIABÁ