sementes.petrovina@petrovina.com.br (66) 2101-4000 Acesso Restrito

Notícias e Novidades

publicado em 26 de julho de 2016

COMBUSTÍVEL; Semestre fecha com alta de 0,5% em MT:

Mesmo com retração na preferência pelo etanol hidratado, demanda pela gasolina e pelo óleo diesel ajudou a sustentar vendas do setor.

Demanda pelo etanol segue em baixa, mas gasolina e óleo diesel seguem sustentando saldo positivo

As vendas de combustíveis fecharam o primeiro semestre de 2016 com alta de 0,50% em Mato Grosso quando comparadas ao mesmo volume comercializado em igual período do ano passado. Conforme dados divulgados ontem pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) foram consumidos 2,04 bilhões de litros de janeiro a junho deste ano contra 2,03 bilhões no mesmo acumulado do ano passado.

Apesar de mais uma vez apresentar queda na preferência do consumidor e fechar no vermelho, a comercialização do etanol hidratado foi suplantada pelo bom momento da gasolina tipo ‘C’ e do óleo diesel, este último bastante utilizado nesse momento em que se colhem no Estado as segundas safras de milho e algodão.

Em junho, foram comercializados pouco mais de 48 milhões de litros de etanol hidratado, contra 56,38 milhões de litros em junho de 2015. O diferencial entre os dois períodos se explica no preço de bomba. Conforme a ANP, enquanto em junho deste ano o litro do combustível fechou o mês com média de R$ 2,44, no ano passado o litro custava cerca de R$ 2, e o valor tem sido determinante para decisão do consumidor na hora de abastecer. E o resultado na prática está no volume demandado dessa matriz, que encolheu 7,76% na comparação entre os primeiros semestres de 2016 ante 2015, ao passar de uma comercialização de 316,96 milhões de litros, para atuais 292,38 milhões. Em razão de ser um combustível de maior queima, ou seja, rende menos por quilômetro rodado, o etanol tem sido preterido na comparação com a gasolina.

Já o derivado de petróleo, o mais popular utilizado é o tipo ‘C’, aumentou a demanda no Estado em 5,23%, ao passar de 285,40 milhões de litros de janeiro a junho de 2015 para 300,34 milhões nos primeiros seis meses desse ano. Na comparação anual, o litro da gasolina ‘carrega’ alta de cerca de R$ 0,30, mas para o consumidor, a migração do hidratado para o derivado do petróleo tem sido a opção.

O óleo diesel fechou o primeiro semestre com alta de 2,34% no consumo em comparação ao mesmo período do ano passado, foram 1,31 bilhão de litros contra 1,28 bilhão.

Em todo o país, o semestre fechou com vendas em retração na comparação anual, -4,57%. Foram 66,53 bilhões de litros comercializados em 2016, contra 69,71 bilhões em 2015.

FONTE: DIÁRIO DE CUIABÁ