sementes.petrovina@petrovina.com.br (66) 2101-4000 Acesso Restrito

Notícias e Novidades

publicado em 22 de março de 2016

Rumos políticos e econômicos no Brasil podem afetar safra 16/17 em Mato Grosso:

Rumos políticos e econômicos no Brasil podem afetar safra 16/17 em Mato Grosso

As incertezas e inseguranças da política e economia brasileira podem afetar a produção agrícola em Mato Grosso da safra 2016/2017. No Estado os produtores já começam a projetar o próximo ciclo da soja e estão se deparando com a volatilidade do dólar. Segundo o setor produtivo, diante o atual cenário há possibilidade da tecnologia utilizada recuar.

As projeções para o ciclo 2016/2017 de área, produtividade e produção ainda não foram definidas em Mato Grosso. Entretanto, de acordo com estudos do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), o custo de produção deverá ter um salto de R$ 2.958,37 por hectare em média para R$ 3.389,18 por hectare da safra 2015/2016 para a 2016/2017. Somente as despesas com insumos, considerando o dólar na casa dos R$ 3,93, salta de R$ 1.756,13 para R$ 2.005,24.

semana passada começou com o dólar em alta na casa dos R$ 3,65 no dia 14, chegando a R$ 3,76 no dia 15. A semana encerrou com a moeda norte-americana cotada em R$ 3,58 diante os acontecimentos políticos no Brasil com a nomeação do ex-presidente Lula como ministro da Casa Civil e a suspensão de sua nomeação. O mês de março começou com o dólar cotado em R$ 3,94 no dia 1º.

A próxima safra, conforme o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária em Mato Grosso (Famato), Rui Prado, já está sendo pensada em Mato Grosso. “O problema dela é a incerteza. A incerteza e a insegurança é que podem trazer a diminuição de investimentos. E outra, está diretamente proporcional à crise política e econômica. Quando se anunciou o Lula como ministro o dólar disparou. O dólar subindo está querendo dizer que os investimentos nesta moeda estão ficando escassos, o investidor externo está indo embora, a moeda fica mais cara e os investidores brasileiros, como é o caso de nós produtores rurais, colocam um pé no freio”.

Em entrevista na última semana ao Agro Olhar, durante o lançamento da Parecis SuperAgro, feira que ocorre em abril em Campo Novo dos Parecis, Prado salientou que este é um momento de cautela e de esperar o rumo que os atuais fatos tomarão.

“Em um dia você vê o dólar subir 1,71%, no outro 3,02% e no terceiro cair quase 1%. É muita diferença de um dia para o outro essa variação. Com certeza o produtor ou retardará a aquisição do insumo ou comprará menos para tentar equilibras as contas. A redução de área destinada à produção agrícola e a de tecnologia podem acontecer. A de tecnologia com certeza irá ocorrer”.

Safra 2015/2016

As perspectivas para a safra 2015/2016 é que sejam colhidas 28,505 milhões de toneladas, o volume deve superar em 1,49% as 28,085 milhões do ciclo passado. As projeções iniciais apontavam queda, diante o veranico durante a semeadura, porém as chuvas em janeiro trouxeram na esperança, contudo os números ainda não finalizados diante o andamento da colheita.

Na última semana a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) realizaram o último levantamento da situação das lavouras de soja 2015/2016 nas regiões Leste e Médio-Norte. Foi o quarto levantamento efetuado para saber o estado das lavouras e mensurar até que as intempéries climáticas afetarão a produtividade do ciclo.

FONTE: AGRO OLHAR